Há quatro tipos de sons de Shofar nos rituais religiosos judaicos contemporâneos – na seguinte ordem:

  • Tekiah
  • Shevarim
  • Teruah
  • Tekiah Gedolah

Tekiah

O Tekiah é um som longo, mas devido à posição da boca e da extensão da respiração, a maioria dos Toke’im (tocadores de Shofar) terminam-no com um som adicional, deslizando até um tom mais alto. É a finalização do Tekiah com um Glissando* , tanto como um ornamento deliberado quanto devido a dificuldades técnicas. Há também um Tekiah com um Glissando em seu início.

Shevarim

Já no Talmud (Bavli 34, 2), os Shevarim são descritos como sons de gemidos e lamentos. Os Shevarim soam como um bramido: são compostos de três toques curtos e cortantes, como um lamento.

Teruah

O Teruah é, de acordo com o rabino Yitzhak Arama, o sinal de ansiedade e tristeza. É composto de mais unidades e mais curtas que o Shevarim. Os judeus ashkenazistas produzem como Staccato, unidades rítimicas, enquanto que judeus orientais soam um tipo de vibração ondulante, composto num longo som (como uma corrente). Normalmente, para produzir as vibrações de longo tom, o tocador do Shofar usa sua língua.

Tekiah Gedolah

No final da série Tekiah, Shevarim e Teruah (ou TST, abreviando-se), costuma-se tocar o Tekiah Gedola (grande sopro): um som muito longo, dependendo da capacidade do tocador. Como regra, o Tekiah Gedolah é três vezes mais longo que o Tekiah.

* Glissando • substantivo (pl. glissandi /glisandi/ou glissandos) Música, um deslizamento contínuo para cima e para baixo entre duas notas.

— ORIGEM italiana, do francês glisser ‘to escorregar, deslizar’ (Compact Oxford English Dictionary )

O fabricante de Shofar, Zvika Bar Sheshet, examina o som de um Shofar feito de um chifre de antílope. (da Coleção Bar Sheshet)

voltar ao topo ^